Pular para o conteúdo principal

Brasil volta ao que era: uma gigantesca colônia

Um das heranças mais malditas desse inacreditável governo "interino" que substitui, à força de um golpe, a presidenta Dilma Rousseff, já é visível: o Brasil volta a ser, perante todo o mundo, aquele país gigante sem nenhuma importância geopolítica, nenhuma expressão nos fóruns e entidades internacionais, nenhuma ambição de se tornar uma potência respeitada.

O Brasil dá marcha a ré aos tempos em que o seu embaixador nos Estados Unidos tinha de se submeter a uma revista, sendo, inclusive, obrigado a tirar os sapatos, para poder entrar naquele país, que, é quase certo, teve influência decisiva na derrubada da presidenta Dilma.

Entre seus acertos, os governos trabalhistas se esforçaram - e, sob certos aspectos, conseguiram - tirar o Brasil do domínio americano, estabelecendo relações comerciais e diplomáticas fortes com outras áreas do planeta, principalmente a África, onde a presença chinesa é fortíssima, países em desenvolvimento abaixo da linha do Equador, a própria China e os outros componentes do grupo denominado de Brics - além de Brasil e China, a Rússia, a Índia e a África do Sul.

E, embora tenha ampliado os seus mercados, não descuidou das relações comerciais com os Estados Unidos, que continuam sendo o principal parceiro do Brasil, nem com a Europa.

Ao mesmo tempo, teve presença marcante na Organização Mundial do Comércio, no G-20, grupo que reúne as maiores economias do mundo, e em outros organismos multilaterais.

O fato de a deposição da presidenta Dilma ganhar destaque na imprensa dos grandes centros de influência do globo pelo que foi verdadeiramente - um golpe de Estado - e, pior, de esses veículos tratarem o governo interino como um grupo de políticos corruptos que conseguiu afastar uma presidenta honesta, joga no chão a imagem do Brasil, que começava a inspirar uma boa dose de admiração nas outras nações.

Construir um país soberano, democrático, forte econômica e socialmente, é uma tarefa gigantesca, de muitas gerações.

Destruir esse país, fazendo-o retornar à condição de colônia do Grande Irmão do Norte, é relativamente fácil.

Basta, para isso, a ação de um governo entreguista, acumpliciado a um Congresso formado por picaretas, um Judiciário e Ministério Público preocupados em ampliar seus privilégios, um empresariado que vive o pré-capitalismo, e uma imprensa venal.  (Carlos Motta)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…