Pular para o conteúdo principal

Para Dieese, mercado de trabalho vai se deteriorar ainda mais

"Impactos da recessão econômica e do ajuste fiscal sobre o mercado de trabalho no Brasil" é o nome da última Nota Técnica publicada pelo Dieese.

Suas conclusões: 

"A expressiva deterioração do mercado de trabalho brasileiro, em marcha acelerada desde o ano passado, é resultado direto da rápida diminuição do crescimento econômico, que, por sua vez, tem como causas um conjunto variado de fatores, externos e internos, conforme já salientado.

"O desaquecimento da economia brasileira tornou-se mais evidente somente em 2012, quando as políticas anticíclicas, já fortemente baseadas em desonerações fiscais, perderam a capacidade de manter o Brasil relativamente imune à desaceleração da economia mundial, em curso desde 2008. 

"Este fato por si só, ao diminuir a demanda e os preços das commodities,  e, portanto, o espaço fiscal para o manejo de tais políticas, exigiria a adoção de medidas corretivas para que o crescimento econômico fosse preservado, tanto quanto possível, e, consequentemente, também fossem preservados os avanços sociais e no mercado de trabalho alcançados nos últimos anos.

"Dessa forma, o desafio posto está longe de ser trivial: é preciso pensar em uma estratégia de condução da economia que trate como problemas indissociáveis a contenção da dívida pública dentro de limites razoáveis, evitando uma trajetória de alta descontrolada, e a necessidade de se manter perspectivas positivas para o crescimento econômico de curto prazo, mormente através da preservação dos investimentos públicos.

"A agenda adotada já no final de 2014, em sintonia com as políticas de austeridade hegemônicas no mundo, esteve longe de dar respostas a contento a este desafio. A tentativa de conter gastos públicos de forma indiscriminada e diminuir a inflação, em um contexto de fortes reajustes de tarifas públicas, rápida e intensa desvalorização cambial e de alta da taxa Selic, não somente foi incapaz de impedir a trajetória ascendente da dívida pública e de conter a elevação do nível de preços, como aprofundou a recessão econômica e deteriorou de forma generalizada os indicadores de mercado de trabalho. Os impactos ainda pequenos sobre o comportamento do rendimento médio real e da massa de rendimentos sugerem que o movimento de deterioração ainda terá continuidade no curto e no médio prazos."

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…