Pular para o conteúdo principal

A terceirização e o choro da jornalista


A moça foi uma das inúmeras contratações do novo diretor de redação do Estadão, aquele que, tristemente, ficou famoso por ter assassinado a sua ex-namorada, também contratada por ele para trabalhar no jornal.

Muitos de nós, veteranos da equipe do caderno de economia, nos surpreendíamos quando ficávamos sabendo, por uma indiscrição de alguém, que os salários dos que chegavam eram muito maiores que os daqueles que estavam, como se diz, havia anos carregando o piano na labuta diária - uma jornada de trabalho que se estendia às madrugadas e raramente era inferior a 10 horas de tremendo desgaste físico e mental.

Não foi só o fato de a moça ganhar mais que nós que provocou uma antipatia quase instantânea à sua figura: ela fazia questão de ser desagradável, evitava se integrar à equipe,e  não abandonava aquele ar de superioridade, ofensivo a qualquer pessoa de personalidade adulta.

Fora isso, era uma jornalista medíocre.

Por tudo isso, foi com surpresa que recebi, certa tarde, seu convite para "tomar um café" - se tanto, havia conversado com ela uma meia dúzia de vezes, todas sobre assuntos estritamente profissionais.

Curioso, fui ver o que ela queria.

E acabei conhecendo com mais detalhes como é perverso este sistema capitalista em que vivemos - e como as pessoas fazem de tudo para torná-lo ainda pior.

Segundo seu relato, o famigerado diretor de redação exigiu que ela fosse contratada como pessoa jurídica, ou seja, não pela CLT, com carteira assinada, como manda a lei. Como o salário era alto, e ela precisava do emprego, topou.

A sua provação começou quando foi se acertar com a burocracia do jornal. Não tinha empresa, teria de criar uma. Feito isso, seria necessário contratar um contador para cuidar do pagamento dos impostos, tributos e taxas da firma e emitir as notas fiscais. Ficou ainda sabendo que não receberia o 13º salário, nem férias, nem haveria para ela Previdência Social ou FGTS.

Fez as contas e chegou à conclusão que o seu salário líquido seria bem menos que a metade do bruto.

Desesperada, implorou para que a contratassem formalmente.

A resposta do abominável diretor de redação não poderia ter sido mais cínica: tudo bem, desde que seu salário seja cortado pela metade.

Lembro que em certo momento desse seu desabafo, a moça chorou: foi quando me disse que tinha um filho para sustentar sozinha e dependia desse seu novo emprego. 

Mas não me lembro o que eu falei para ajudá-la ou, ao menos, consolá-la - o fato é que eu não podia fazer nada de prático.

Pouco tempo depois me demiti do Estadão.

Fiquei sem saber como ela resolveu o seu dilema. 

Apenas imagino que, como tantas outras pessoas, ela tenha se sujeitado a trabalhar por um salário vil, que apenas lhe garantia a sobrevivência. (Carlos Motta)

Comentários

  1. Infelizmente é assim meu caro Motta. As garras do capitalismo selvagem agora estão prontas para sangrar um povo que bateu panelas sem saber porque!

    ResponderExcluir
  2. http://olharforadacaixa.blogspot.com.br/2017/03/classe-media-tola-e-reacionaria.html

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…