Pular para o conteúdo principal

Crise do Brasil Novo assusta micro e pequeno empresário

Os press releases distribuídos pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), em conjunto com a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), tentam mostrar este Brasil Novo como a terra prometida de leite e mel, um verdadeiro paraíso. Antes do golpe, porém, eles exalavam um pessimismo mais forte que o nauseabundo odor do enxofre infernal.

O último release é de um cinismo exemplar. 

O lide [primeiro parágrafo do texto, com as informações supostamente mais importantes] diz que "a intenção de fazer investimentos por parte dos micro e pequenos empresários de varejo e serviços subiu pelo segundo mês consecutivo, passando de 24,20 pontos em julho para 28,08 pontos em agosto". Em seguida, uma explicação: "Apesar da alta mensal de 3,88 pontos, o resultado ainda está abaixo do pico da série histórica (32,06 em maio de 2015). Quanto mais próximo de 100, maior a propensão de investir; quanto mais próximo de zero, menor a propensão."

O texto segue com o presidente da CNDL, Honório Pinheiro, fazendo uma ginástica mental para dizer que tudo vai indo conforme o planejamento. Segundo ele, a retomada da economia poderá aumentar o apetite dos micros e pequenos empresários por investimento, mas o cenário ainda é de receio: “Por ora, o quadro é de arrefecimento da piora das condições econômicas. Alguns indicadores macroeconômicos já dão mostras de que a pior fase da crise pode ter ficado para trás, mas a plena recuperação das condições ainda será lenta e gradual.”

O próximo parágrafo, porém, é o que realmente esclarece a situação em que se encontra a economia do país e o ânimo dos nossos patrióticos empresários:

"Em termos percentuais, 69,9% dos micro e pequenos empresários de varejo e serviços não pretendem investir nos próximos três meses, sendo a principal razão a falta de confiança diante da crise (43,1%). Outros 38,1% dizem não ver necessidade de investir e 14,1% afirmam ter feito investimentos recentes. 'Além do impacto da crise econômica, o aumento do custo do capital torna os empresários mais cautelosos para expandir seus negócios com investimentos', explica o presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro."

Espalhar esse tipo de informação falsa, mentirosa, uma peça de propaganda, é uma das mais importantes ações dos golpistas. 

Eles se acham na fase do vale tudo em sua guerra para consolidar a tomada do poder via golpe de Estado.

Foram longe demais, não podem mais recuar em sua loucura. (Carlos Motta)

Comentários

  1. Aqui no bairro que moro, desisti de contar, quantas lojas já fecharam suas portas nos ultimos 2 meses.É o espetaculo do crescimento econômico. Que a justiça divina alcance todos que contribuiram para essa calamidade, mas proteja as crianças e idosos das consequências dessa barbaridade.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…