Pular para o conteúdo principal

O ditador tem duros olhos azuis


A redação de um grande jornal - sim, já tivemos isso no Brasil! - é um minimundo, onde se encontram pessoas de todo o tipo - mas todo o tipo, mesmo.

No hoje agonizante Estadão, por exemplo, durante um certo tempo um dos herdeiros da dinastia mesquitiana frequentava a redação, talvez para matar o tédio, talvez para pegar gosto pela profissão - algo que não aconteceu, pois ele se sentia mais à vontade entre cavalos e éguas que fazem a festa dos endinheirados nos jóqueis-clubes da vida.

Um belo dia, se aproximou de alguns empregados e puxou prosa. Contou que tinha ido, em viagem de negócios, ao Chile, e que ficara encantado com o país.

- Comi num restaurante com garfo e faca de prata - disse. Serviço sem igual.

As ruas eram limpíssimas, bem diferentes da imundície de São Paulo, relatou. As pessoas, ordeiras e educadas. Outro mundo.

Mas o que realmente o impressionara na viagem havia acontecido durante a cerimônia principal do evento de que participara. 

Um senhor evento, que contara com a presença, vejam só, do general Augusto Pinochet, na época ainda o manda-chuva do Chile.

- Nunca vi coisa igual. Que homem! Ficou sentado na mesa principal, mais de meia hora ouvindo um discurso, sem mover um músculo. E o seu olhar, então! Impressionante! Duro, fixo num ponto da sala, sem se desviar um instante!

E arrematou, pouco antes de um telefonema o chamar para a sua sala, longe do barulho da redação:

- Vocês sabiam que ele tem olhos azuis?

É isso. 

Quem possui a capacidade de notar que o ditador tem olhos azuis é mesmo especial. (Carlos Motta)

Comentários

  1. Esse cara é um tolo. Geralmente quem tem duros olhos azuis, possui também um amarelo peru mole, e um furingo vermelho de paixão. Pensa que engana quem?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…