Pular para o conteúdo principal

O puxa-saco que deu de presente um chapéu e uma cabeça aos seus patrões


Puxa-saco, todo mundo sabe, tem em qualquer lugar.

Em redação de jornal, então, nem se fala.

Ouvi, certa vez, uma história sobre um certo tipo que trabalhava no Estadão: na minha época ele era chefe de reportagem de não lembro de qual editoria.

Pois bem, o que contam é que assim que voltou de umas férias o sujeito deu de cara com o dr. Júlio, como era chamado o Júlio Mesquita Neto, o homem que mandava no pedaço naquela época.

Nem acabou de cumprimentá-lo e mandou bala:

- Que bom encontrar o sr., doutor. Estava de férias, fiz umas viagens pelo interior e, sabe, achei aquele chapéu que o senhor gosta de usar na sua fazenda. Comprei e trago amanhã para o senhor. 

-----------------------------------------------------

Algum tempo mais tarde houve uma troca de comando na redação. Assumiu um dos inúmeros salvadores da pátria que passaram por lá, o homem que iria "profissionalizar" o jornal, isolando a opinião da notícia, entre outras promessas não cumpridas.

Uma das primeiras providências desse novo diretor de redação, que trouxe consigo uma enorme turma de aspones, foi dar uma limpa no pessoal que, a seu juízo, estava muito acostumado com a modorra que era a marca registrada do jornalão.

O nosso personagem do chapéu foi um dos primeiros a ser bicado pelo passaralho, essa ave exterminadora de empregos.

Voltou para a sua terra natal, no interior do Estado. 

Disseram que teve até de passar por tratamento psiquiátrico, tal a intensidade da depressão pós-demissão de que foi acometido.

Até que arrumou novo emprego, de assessor de imprensa dos ricos e poderosos produtores de açúcar e cana da região.

E assim, teve a chance de voltar ao velho e bom puxa-saquismo: foi ele quem pediu a cabeça, à diretoria do Estadão, do correspondente do jornal naqueles lados, já que o rapaz vinha fazendo matérias que não agradavam aos nossos patrióticos "produtores rurais".

Em outras palavras, evoluiu: em vez de dar um chapéu, deu uma cabeça inteira aos seus novos patrões. (Carlos Motta)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…