Pular para o conteúdo principal

Contas externas acumulam déficit de US$ 23 bi em um ano

Dados divulgados pelo Banco Central (BC) mostram que, em agosto, o saldo em Conta Corrente do Brasil foi negativo em US$ 465 milhões. O déficit acumulado em 12 meses caiu de US$ 25,836 bilhões para US$ 23,251 bilhões. Como porcentagem do PIB em 12 meses, o déficit representa 1,31%. Em setembro de 2015 o déficit foi de US$ 3,050 bilhões.

As transações correntes ou contas externas são compostas pela balança comercial (comércio de produtos entre o Brasil e outros países), pelos serviços (adquiridos por brasileiros no exterior) e pelas rendas (remessas de juros, lucros e dividendos do Brasil para o exterior), e é um dos principais meios para avaliar o setor externo brasileiro.


O resultado deficitário se explica, por um lado, pelo saldo negativo de US$ 2,602 bilhões na balança de serviços e de US$ 1,656 bilhões na conta de renda primária. E, por outro lado, pelo saldo positivo da balança comercial em US$ 3,603 bilhões no mês. O saldo da balança comercial, em uma óptica acumulado dos 12 meses, registrou aumento de US$ 41,985 bilhões para US$ 42,937 bilhões.

Uma análise do saldo comercial mostra que este tem sido pautado pela moeda menos valorizada (ainda que com menos vigor quando comparado com meses anteriores), pela recessão doméstica e da fragilidade global. A crise econômica reduziu as importações e forçou as empresas a tentar buscar mercados externos. Tal efeito não foi mais exitoso, sobretudo, devido a forte volatilidade cambial. 

Dados do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (IEDI) revelam que o saldo da balança comercial da indústria de transformação se cristalizou em um déficit de US$ 29,9 bilhões no acumulado de janeiro a setembro de 2015 e de US$ 3,6 bilhões em igual período de 2016 (-87,8%). Desse saldo, as importações de produtos manufaturados somaram US$ 118,9 bilhões no acumulado de janeiro a setembro de 2015 e US$ 93,2 bilhões em igual período de 2016 (-21,6%). Já as exportações de manufaturados atingiram US$ 88,9 bilhões no acumulado de janeiro a setembro de 2015 e US$ 89,5 bilhões em igual período de 2016 (+0,7%). 

A recuperação da economia via expansão do setor industrial brasileiro e das exportações aguarda um posicionamento em favor do mesmo, ou seja, a redução mais expressiva das taxas de juros e controle tanto do patamar quanto da volatilidade cambial. (Igor Rocha, economista/Fundação Perseu Abramo)

Comentários

  1. Para salvar a Economia Brasileira, só com a ajuda do saudoso Capitão Gay e seu impagável assistente Carlos Sueli. Vai pro buraco. Não tem jeito.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…