Pular para o conteúdo principal

O colapso de uma nação


Quem, como eu, viveu os governos da ditadura militar e, depois, os de Sarney, Collor, Itamar, FHC, Lula e Dilma, deve estar, no mínimo, perplexo, atônito e estarrecido com o que diariamente os canais de informação lhe mostram.

A sensação é de que o Brasil está em frangalhos, prestes a se derreter, passando a se compor de colônias de sobreviventes, ilhas onde os náufragos da tempestade procuram, com os parcos meios de que dispõem, seguir adiante.

Se estava ruim antes, o que dizer de agora?

Não há país no mundo que exiba tantas calamidades a se sucederem em tempo tão exíguo.

O Estado de bem-estar social que se montava está quase todo destruído, fazendo as camadas mais pobres da população retornarem à miséria, e aprofundando a ignóbil desigualdade social e econômica, que é a causa maior de toda a tragédia brasileira.

Setores econômicos inteiros, como a construção civil pesada e a construção naval, estão arrasados.

A maior empresa do país se encolhe dia a dia, numa evidente preparação para ser oferecida ao capital estrangeiro.

O petróleo deixa de ser nosso.

A indústria em geral acompanha o processo de liquefação da riqueza nacional e vai aos poucos desaparecendo,

O comércio também afunda na crise.

O desemprego explode, com suas consequências trágicas.

As prisões, masmorras medievais, são controladas pelo crime organizado.

Cidades mergulham na violência e caos, provocados pela ausência do poder público.

O Judiciário e o Ministério Público continuam sua caçada implacável a todo aquele que ouse manifestar ideias políticas de esquerda.

Em Brasília, os conchavos para que se salve a pele dos ladrões que assumiram o poder central, se intensificam e têm final feliz.

O Brasil já não é nem mais o gigante bobo que sempre foi - com exceção dos anos dos trabalhistas, que deram a ele alguma dignidade. 

É hoje, nada mais, nada menos, que um mendigo maltrapilho, corroído por doenças e malcheiroso, do qual todos querem se afastar. (Carlos Motta)

Comentários

  1. As tranças do careca. Quem apostou no impeachment, ganhou ingresso para assistir a esse clássico do cinema nacional.Estrelando nosso melhor ator, o Mesóclise. Preparem-se para fortes emoções.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…