Pular para o conteúdo principal

Uma nação que caminha para a Idade Média


As sessões da Câmara Municipal de Serra Negra se iniciam com os vereadores rezando o "Pai Nosso" (foto), contrariando a laicidade do Estado brasileiro.

A maior obra da cidade é um centro de convenções que a Igreja do Evangelho Quadrangular está construindo, com capacidade para abrigar 15 mil "fiéis".

Evangélicos lotam os hotéis em diversos encontros distribuídos ao longo dos anos.

O município, de 28 mil habitantes, tem ruas nas quais se vê mais templos e igrejas que casas comerciais.

Serra Negra, a 140 quilômetros da capital paulista, faz parte do chamado Circuito das Águas Paulista, supostamente formado por estâncias hidrominerais.

Há ainda várias fontes na cidade, mas há muito elas deixaram de atrair turistas - semiabandonadas, diversas apenas gotejam o líquido.

O balneário municipal, parte do enorme e também quase abandonado Centro de Convenções, foi reformado recentemente, mas continua fechado - ninguém, nem a Prefeitura, se dispõe a fazê-lo funcionar.


O interesse dos evangélicos pela cidade, que vive basicamente do setor de serviços, comércio à frente, desperta otimismo em setores empresariais locais.

E inquieta algumas pessoas, que temem que essa iminente "invasão" de evangélicos transforme o município numa espécie de "Aparecida", ou seja, que altere profundamente o perfil não só dos visitantes, como da própria cultura local, baseada numa forte colonização italiana - e, portanto, católica.

Essa aura de religiosidade que envolve a pequena Serra Negra não é exclusiva dela.

O Brasil, antes conhecido como a maior nação católica do mundo, está rapidamente mudando seu perfil para se tornar a maior nação religiosa do planeta, tal o avanço, nos últimos anos, das igrejas evangélicas, que dominam grande parte dos meios de comunicação e possuem bancadas fortes no Congresso Nacional.

Sob a influência de milhares de "bispos" e "pastores", a quase totalidade de baixíssima formação intelectual e muitos dos quais simples aproveitadores da fé dos humildes, cresce exponencialmente o número de brasileiros ignorantes de seus direitos e deveres, do funcionamento e importância das instituições e dos Poderes - do seu papel de cidadãos.

Junto a esse cenário paira uma mídia totalmente comercial e um sistema educacional falido, quando público, e elitista, quando privado.

O resultado dessa mistura é facilmente detectado - quando uma instituição de ensino superior da tradição e importância da Universidade Mackenzie abre um espaço para discutir a "teoria" do design inteligente, que contesta o evolucionismo, é porque a razão bateu no fundo do poço no Brasil.

E as trevas avançam, inexoravelmente.

Falta pouco para o Brasil voltar à Idade Média. (Carlos Motta)

Comentários

  1. Se os Antropólogos procurarem, provavelmente acharão exemplares do "elo perdido" no staff que compõe o governo golpista.Se voltar-mos à idade média e ali estacionar-mos, até que não está mal. Pior é se voltar à prática do canibalismo e implantarem o programa "minha caverna minha vida". Ou quem sabe na saude pública o "mais pagé". Ou a desoneração fiscal para a industria de tacapes. O cacique da tribo adverte: O Pib aviadou-se.O bicho vai pegar!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…