Pular para o conteúdo principal

A juventude, as convicções, e o cachê de R$ 40 mil


A juventude tem coisas boas, mas outras nem tanto.

Os jovens tendem a se considerar invulneráveis, acham que podem fazer tudo sem que nada tenha consequência, sem que nenhum ferimento resulte das aventuras em que se metem.

Mesmo nos dias de hoje, nos quais o consumismo encharca e obnubila as consciências, há jovens destemidos o suficiente para achar que têm condições de, quais Quixotes, mudar o mundo em um lugar mais acolhedor para se viver.

Alguns desses jovens se lançam, desesperadamente, na paixão pela arte, cultivando versos, melodias, rabiscos ou pinceladas com a marca dos seus hormônios em febre, outros desprezam os afazeres mundanos e entregam suas almas aos mistérios da fé religiosa, e uns tantos se engajam na luta política, muitas vezes até mesmo sem saber que estão fazendo isso.

Todo esse voluntarismo, marca da juventude, geralmente com o passar do tempo vai se transformando em ações mais pragmáticas, pés no chão, "na real", como se costuma dizer.


Nem todos os jovens, porém, seguem esse roteiro.

Existem aqueles que, por mais conhecimentos que adquiram, por mais experiências que passem, se recusam a aceitar a passagem do tempo e as suas inevitáveis sequelas: preocupações com a subsistência, com o trabalho, com a vida familiar, com o corpo que se deteriora, com o trânsito, com o Imposto de Renda...

Esses permanecem, mesmo que os sinais exteriores digam o contrário e sigam indistinguíveis, o resto do rebanho, arriscando seus versos, melodias, pinceladas e rabiscos adolescentes, contando com a sua fé mágica para vencer na vida, ou remoendo a sua indignação contra tudo e contra todos.

Todos nós conhecemos pessoas assim nas nossas famílias, no trabalho, entre os vizinhos e os amigos.

Ou mesmo lendo o noticiário dos jornalões.

Há o exemplo dessa rapaziada, lá na fria Curitiba, que desde há alguns anos vem liderando uma cruzada contra a corrupção, a fonte de todos os males passados, presentes e futuros deste gigante bobo chamado Brasil.

Eles protagonizam as notícias o tempo tempo.

São implacáveis com quem julgam corruptos, ladrões, meliantes, esses indivíduos indignos de viver à solta em nossa sociedade e de conviver com os homens de bem.

Não cansam de dar lições de moral e ética.

Voluntaristas, seguem avante, audazes e com a certeza de que, depois de demolirem as muralhas onde se abrigam as forças do mal, brotará, como por milagre, uma nova civilização, limpa de toda a excrescência que a infestou, para levar ao seu glorioso futuro esta terra onde tudo o que se planta, dá.

É uma rapaziada de dar gosto, também porque está sempre disponível para levar a sua fúria juvenil e seu ardor adolescente, que contagiam e inflamam mentes e corações, a audiências variadas, desde colegas de profissão a fiéis religiosos, passando por "socialites" a cirurgiões plásticos.

Alguns deles, como o imberbe Deltan Dallagnol, encontrou um modo fácil de levar adiante o seu grito de inconformismo: basta que o interessado acesse o site motiveacaopalestras.com.br e procure por seu nome. 

Se fizer isso, ficará sabendo que ele, segundo o perfil estampado no site, "é movido por suas crenças" (...), "acredita que pode mudar a forma de combater a corrupção no país" (...), é "metódico e carinhoso", e que "quando aparece para uma entrevista, fica claro que ele preparou cada tópico da fala e não foge do roteiro", driblando assim a "timidez". Além disso, é "cordial, emprega frases de efeito, que também recheiam os processos" e, que "para ele, por exemplo, Lula é o 'comandante máximo' do desvio de recursos da Petrobras".

Como se vê, ele tem muitas convicções.

Que podem ser ouvidas, ao vivo, acompanhadas de expressões contundentes de repulsa e revolta, por um um cachê entre R$ 30 mil a R$ 40 mil.

Uma pechincha. (Carlos Motta) 

Comentários

  1. É verdade.De uns tempos pra cá, descobrimos essa juventude voluntariosa no Brasil. Tudo começou com os Hare Krisna, vendendo incenso e pedindo dinheiro nos ônibus. Juventude empreendedora.Disposta a descolar uma grana na moleza. Como por aqui não falta vigarista rico, êsses espertos rapazes, sacaram o filão e partiram pra atender a demanda: acabar com as Leis e a Constituição, coisas que só servem pra atrapalhar a vida dos "carregadores de mala". O pretexto? Ora! Qualquer coisa serve. Organizados em grupos com nomes de efeito: "Brasil Livre" (qua,qua,qua),"Blackblocs", etc, estão agora faturando o estrago que ajudaram a fazer. Parabéns a êsses merdas.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…