Pular para o conteúdo principal

Os mestres do jornalismo, segundo os jornalistas: Miriam Leitão, Jabor, Cid Moreira, Sardenberg...


A jornalista Miriam Leitão, protagonista de um polêmico incidente aeronáutico nesta semana, integra um seleto grupo de profissionais de imprensa cujo hobby é colecionar troféus. 

Empresas diversas, como meio de aumentar seu prestígio e faturamento, promovem anualmente dezenas de concursos para jornalistas.

O mais famoso de todos, o Prêmio Esso, acabou no ano passado, depois de 60 anos distinguindo o crème de la crème da imprensa brasileira.

Mas deixou no seu rastro vários outros de mais ou menos importância e repercussão. 


Um deles se denomina o "Oscar" do jornalismo nativo, o "Comunique-se", promovido pela empresa do mesmo nome desde 2003.

Ele tem a peculiaridade de escolher o vencedor por meio de eleição direta dos integrantes da categoria profissional.

É, portanto, uma boa maneira de entrar na cabeça dos nossos jornalistas, saber quem eles consideram os melhores do métier. 

Para ajudar nessa tarefa, desde 2007 o Prêmio Comunique-se instituiu uma "Galeria Mestres do Jornalistas".

No site do prêmio, há a explicação de como um profissional recebe essa honraria:

"Para fazer parte da seleta lista, profissionais da imprensa e agências de comunicação precisam conquistar três vitórias consecutivas numa mesma categoria, nos anos em que estiverem habilitados a concorrer, ou cinco vitórias, também numa mesma categoria, em anos aleatórios."

Como se vê, não é fácil atingir o status de "mestre" na premiação. 

Os nomes dos ungidos dão uma mostra bastante sincera do que o jornalismo brasileiro.

Fazem parte do seleto time, entre outros, Arnaldo Jabor, Carlos Alberto Sardenberg, Cid Moreira, Clóvis Rossi, Cora Rónai, Fernando Mitre, Monica Bergamo, Renata Vasconcelos, Ricardo Boechat, Ricardo Noblat, Roberto Civita, Ruy Mesquita, Sérgio Dávila, Tadeu Schmidt, Cléber Machado, Arthur Xexéo, e claro, Miriam Leitão.

No ano passado, a jornalista das Organizações Globo, foi a grande vencedora da noite de gala do prêmio, realizada no espaço Tom Brasil, em São Paulo. Ela foi escolhida pelos jornalistas nas duas categorias em que concorreu ao troféu e, pela segunda vez, entrou para a galeria de "Mestres do Jornalismo".

Miriam venceu na categoria “Colunista – Opinião”, e em “Economia – Mídia Falada”.

Como diria Ibrahim Sued, outro que brilhou nas Organizações Globo, e fez escola com o seu colunismo social misto de puxa-saquismo, fofocas, e alguma notícia, "sorry, periferia". (Carlos Motta)

Comentários

  1. Disse certa vez Ibrahim Sued, um dos expoentes do jornalismo global, que havia conhecido em uma festa, um certo embaixador que falava mais de dez linguas. Impressionado com a cultura do novo amigo, afirmou que havia conhecido um "verdadeiro troglodita". Ridículo e cascateiro, o jornalismo global acha que nos faz a todos de idiotas.

    ResponderExcluir
  2. Esses prêmios de jornalismo, lembram muito os desfiles de fantasia do Municipal. A cada ano uma bicha deslumbrada vencia o concurso, pra não haver briga entre elas.
    Sorry, coxinhas.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…