Pular para o conteúdo principal

IBC-Br maio: tem marola no fundo do poço


O Banco Central informou na manhã desta sexta-feira (14) que o seu indicador antecedente do PIB (IBC-Br) registrou variação negativa no último mês de maio (-0,5%). Embora já viéssemos alertando aqui neste espaço para a possibilidade de novas quedas do nível de atividade em decorrência da ausência de fatores capazes de dar impulso a um ciclo de retomada do crescimento, as vozes do mercado financeiro reunidas pelo jornal Valor Econômico estimavam que o IBC-Br de maio apontaria para um crescimento de 0,3%.


Além disso, quando se considera o resultado acumulado nos cinco primeiros meses de 2017 frente ao mesmo período de 2016 (os últimos meses sob o governo Dilma), o que se observa é também uma queda de 0,10%, a despeito dos ajustes metodológicos nas pesquisas do Instituto Brasileiro de Geografia e estatística e que inflaram os resultados nos primeiros meses do presente ano.

Ou seja, a cada novo resultado vai ficando cada vez mais claro que, embora ocorram oscilações positivas de um ou outro segmento da economia, o arranjo macroeconômico conduzido pelo governo Temer e seus ministros-banqueiros não é capaz de dar partida a nenhum motor da demanda agregada.

Sem isso, o país deverá permanecer à mercê de eventuais impulsos exógenos (maior apetite do mercado externo, um regime climático favorável à safra agrícola) e se acostumar com a marola no fundo do poço. Sem escadas, sem mola e sem cordas, seria talvez o caso de devolver a pergunta cínica que Michel Temer fez aos brasileiros dias atrás: o que será deste pais com mais um ano e meio sob o seu governo?  (Marcelo P. F. Manzano/Fundação Perseu Abramo)

Comentários

  1. "seria talvez o caso de devolver a pergunta cínica que Michel Temer fez aos brasileiros dias atrás: o que será deste pais com mais um ano e meio sob o seu governo?"
    Resposta: só os que sobreviverem, saberão!

    ResponderExcluir
  2. Procura-se com ou sem tornozeleira.
    Individuo insidioso, entrou pela porta dos fundos do palácio, a pretexto de fazer grande reforma no imóvel. Qual o que! O pilantra expulsou a Rainha, sentou no trono e dormiu no leito real. Agora está sendo procurado pela policia e seu paradeiro é desconhecido. A policia alerta que o safado tem a mania de dizer que sabe construir pontes. Mentira. O que êle sabe mesmo fazer é cavar buraco e carregar mala. Ainda bem que isso aconteceu na Inglaterra. Ufa!!! Que alívio!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…